Menu fechado

Por que a igreja não pode negligenciar o potencial da Internet?

Confira a segunda parte da entrevista com Carolina Fedoruk, community manager da Christian Vision no Brasil, e fique por dentro das estatísticas que demonstram a eficácia das tecnologias digitais para o evangelismo

Por Cleiton Oliveira

Clique no link a seguir e veja a primeira parte de nosso bate-papo com Carolina Fedoruk, preletora confirmada do Encontro Sepal 2020:

A contribuição do MKT digital para o cumprimento da promessa de atos 1.8.

Sepal: Por que é importante que os pastores e líderes percebam e façam o bom uso do potencial das redes sociais e das demais facilidades do meio digital?

Carolina Fedoruk: Hoje, e cada vez mais, pessoas buscam soluções e respostas na palma da mão, ou seja, em um celular conectado à Internet. Uma pesquisa recente revela que cada pessoa no mundo passa, em média, 6 horas e 42 minutos conectada à rede. Se você acha que é muito, a média do brasileiro é ainda maior: 9 horas e 29 minutos todos os dias. (Fontes: relatórios coletados pelo GlobalWebIndex, GSMA Intelligence, Statista, Locowise, App Annie e SimilarWeb).

Não tem como a igreja negar o potencial que o ambiente digital tem, considerando que suas diferentes plataformas devem promover conteúdos relevantes. Pessoas de todas as gerações, principalmente as das gerações Y e Z, precisam ser alcançadas onde elas estão.

Um trabalho recente do Instituto Barna e da Visão Mundial resultou num relatório chamado “The Connected Generation” [“A Geração Conectada”]. A seguir, destaco alguns pontos da pesquisa:

  • Conectados, mas sozinhos: Apesar da superconectividade e a cabeça aberta para o global, muitos jovens adultos dizem se sentir sozinhos.
  • Abertura para a espiritualidade: Existe uma abertura surpreendente para assuntos a respeito de espiritualidade e religião e, em muitos casos, da igreja, menos para aqueles que deixaram de crer.
  • Tempo de ansiedade: Preocupações e insegurança, especialmente em relação ao dinheiro e à vocação.
  • Busca por respostas: Sofrimento humano e conflitos globais são as principais preocupações que levam, inclusive, às dúvidas espirituais.
  • Discipulado resiliente: Mesmo em tempos de conflitos religiosos, os dados apontam que o discipulado é a melhor maneira de formar seguidores de Cristo, até entre os cristãos que se afastaram.
  • Desejo de fazer a diferença: Quando os jovens se interessam por uma comunidade de adoração, procuram por ensino concreto, oportunidades para combater a injustiça e amigos para se juntarem ao longo do caminho.

Com tantas evidências, não podemos negar o potencial que as redes sociais e tantas outras ferramentas digitais têm de poder alcançar pessoas. Precisamos “ocupar” esse espaço com o Evangelho de Cristo.

“Não podemos negar o potencial que as redes sociais e tantas outras ferramentas digitais têm de poder alcançar pessoas. Precisamos “ocupar” esse espaço com o Evangelho de Cristo.”

O que diriam ao pastor ou ao líder que resiste às inovações tecnológicas e as vê com maus olhos? Qual seria a melhor perspectiva para lidar com tais ferramentas?

Precisamos aceitar que vivemos numa era digital. Não dá para negar que se trata de uma transformação que não voltará atrás. As inovações tecnológicas não podem nos assustar. Elas precisam nos provocar a pensar profundamente em como podemos nos inserir no digital e ser relevantes a partir de conteúdo cristão de qualidade.

Em João 15, nós vemos que o que determina o cristão é estar conectado à Videira verdadeira! Isso transpõe barreiras entre o analógico e o virtual: o cristão está conectado com Cristo. A partir disso, nós devemos continuar caminhando como Jesus nos ensinou: sendo sal da terra e luz do mundo, na Internet ou na rua! O presidente da CV Global, Lord Edmiston, disse recentemente: “Tenhamos certeza de que permanecemos conectados a Jesus, de que não existem obstáculos para que a sua vida flua por meio de nós. Então, saberemos que estamos frutificando”.

A revolução digital começou a mudar a dinâmica das comunicações e continuará a transformar a sociedade. Essa revolução criará oportunidades para a Igreja. Ela não vai mudar a fé, mas pode mudar o que muitas pessoas pensam a respeito da fé, delas mesmas e do mundo. Por isso, a importância de permanecer em Cristo e saber transitar e aproveitar esse terreno cultural em transformação. Isso requer que firmemos nossa fé em quem cremos.

Falamos com pastores e líderes diariamente e ouvimos suas histórias e dificuldades na transição do analógico para o digital. Mas temos visto muitas iniciativas de colaboração entre líderes, que trazem novas gerações para serem usadas por Cristo através de suas habilidades (digitais) na cooperação para o crescimento do Reino. Essa é uma forma de aprendizado mútuo que elucida algo fundamental: o legado pelo discipulado e relacionamento intencional, o diálogo com as novas gerações, a fim de apresentar o que realmente importa: permanecer em Cristo.

E ao líder que usa as novas tecnologias constantemente. De que forma ele deve atuar na dinâmica muitas vezes frenética do meio digital? Como encontrar equilíbrio, produzir conteúdo com qualidade e não negligenciar o contato humano face a face, tão necessário para o bem-estar emocional?

Muito se fala hoje em dia sobre equilíbrio, nada que é excesso é bom, como ouvíamos de nossas mães! Saber usar a tecnologia em favor do Reino e ter a consciência de que nós temos o domínio sobre ela — e não o contrário— já é um bom começo para alcançá-lo.  

É preciso um esforço muito grande para sair do conforto da acessibilidade que os recursos digitais nos proporcionam e buscar diariamente viver em contato com pessoas face a face. Por isso, para a CV é muito importante não só apresentar o Evangelho através de meios digitais, mas conectar as pessoas às igrejas. Queremos que elas vivam em comunidade, que tenham amizades reais e duradouras, relacionamentos que sustentam vidas em amor.

Jesus Cristo veio para nos ensinar que devemos ser sal e luz neste mundo. Queremos viver tudo o que Deus tem para nós hoje, nesta geração. E mais do que isso: queremos viver o legado e o propósito do Evangelho, de forma a comunicar a todas as gerações aquilo que o nosso Senhor Jesus Cristo fez por nós!

Que possamos ser sal e luz também no meio digital. Muitas pessoas estão ali e precisam de nós, de você e, principalmente, de Deus! •

Clique aqui e garanta a sua inscrição no Encontro Sepal 2020!

Fique de olho!

Em breve publicaremos a terceira parte deste conteúdo especial. Não perca!

Leia também:

Segmentos menos evangelizados no Brasil

Anne Zaki, teóloga egípcia, marca presença no Encontro Sepal 2020

Ministério e família. Como conciliar?

.

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *