Saiba mais sobre um dos temas do Encontro Sepal 2020 e inspire-se com um texto que Josué Gonçalves, preletor confirmado, compartilha em seu livro “Família indestrutível”


Não são poucas as vezes que líderes se veem diante deste dilema: “Como conciliar a vida ministerial ou profissional com a vida familiar?” Em consequência do dia a dia geralmente atarefado, não é à toa que muitos enfrentam sérias crises emocionais, como sentimento de culpa, angústia e tristeza, por sentirem que “estão falhando” com seus entes queridos. Para evitar tal situação, é fundamental encontrar um ponto de equilíbrio e esforçar-se para mantê-lo, mesmo diante de pressões.

Tendo como pano de fundo o tema: “Vida na vida: Na contramão dos relacionamentos líquidos”, a 47ª edição do Encontro Sepal trará, entre diversas pautas, questões que visam ao fortalecimento e proteção das famílias.

Com esse objetivo em mente, convidamos Josué Gonçalves entre os preletores do evento. Escritor, conferencista, terapeuta familiar e pastor da Assembleia de Deus em Bragança Paulista (SP), é fundador e presidente do Projeto Família Debaixo da Graça, um ministério de alcance nacional focado na construção de lares fortes, alicerçados nos princípios cristãos.  

No Encontro Sepal 2020, Josué falará sobre o tema: “Lidando com as feridas do adultério”, e dará orientações preciosas para que pastores e líderes não somente evitem a armadilha da infidelidade conjugal mas também saibam ajudar quem está vivenciando essa experiência dolorosa e delicada.

Para que você se prepare para o Encontro, compartilhamos com você um trecho do livro Família Indestrutível, gentilmente cedido pela Editora Mundo Cristão. No texto, Josué fala sobre os perigos sutis que podem sobrevir a qualquer pessoa no que diz respeito à vida a dois e oferece dicas para que os leitores se mantenham alertas no dia a dia. Confira a primeira parte do conteúdo a seguir:

Vigilância contra o adultério

Qualquer pessoa dominada por uma paixão doentia age sem pensar nas consequências, que são muitas vezes irreparáveis. Lembra-se da história da esposa de Potifar, que tentou seduzir José (Gn 39)? O sentimento que nasceu e se desenvolveu na alma daquela mulher pode brotar e crescer dentro de qualquer pessoa, pois ninguém está livre dessa possibilidade. O alerta fica vermelho quando nos lembramos de que Davi, o homem segundo o coração de Deus (1Sm 12.14), fraquejou na vigilância contra o pecado e acabou tornando-se não só adúltero, mas homicida. Sim, todos estamos sujeitos a pecar, e precisamos manter vigilância máxima em todo tempo.

Quando tratamos de envolvimentos extraconjugais, a dúvida de muitos é como nasce esse sentimento que leva as pessoas a fazer todo tipo de loucura. Tudo pode começar com um simples flerte. Conheci uma jovem esposa que não estava vivendo um bom momento no casamento e se envolveu com um homem que morava no mesmo prédio que ela. Depois de alguns encontros extraconjugais às escondidas, ela percebeu que estava grávida do amante e não tinha como esconder do marido. Foi uma tragédia conjugal, com prejuízos irreparáveis. Tudo começou quando ela entrou no elevador do prédio onde morava e encontrou o rapaz galanteador.

Naquele dia, por alguma razão, ela tinha se preocupado um pouco mais em se arrumar. Cuidou do cabelo, vestiu uma roupa que a deixava mais sedutora, maquiou-se. Ao vê-la entrando no elevador, o rapaz a olhou de forma maliciosa e disse: “Como você está linda!”. Ela sorriu, mas a maneira de como ela agradeceu o elogio deixou transparecer que havia gostado do galanteio e que seria bom ouvi-lo novamente.

O rapaz, ao perceber que houve uma abertura e que ela estava vulnerável e receptiva, no outro dia telefonou para a jovem senhora, a fim de continuar o jogo de sedução que havia começado no elevador no dia anterior. Ela não apenas atendeu, mas também demonstrou que estava gostando de brincar na “zona de perigo”. Os telefonemas se tornaram frequentes, as declarações apaixonadas tornaram explícitas, ele disse que desejava possuí-la e ela confessou que gostaria de ser possuída. Não demorou muito para que fossem para um motel, consumando o adultério que terminou em uma gravidez.

Observe como a maioria dos casos extraconjugais começa com muita sutileza. Bastou uma frase: “Como você está linda!”. Foi por isso que Jesus disse: “Vigiem e orem para que não cedam à tentação, pois o espírito está disposto, mas a carne é fraca” (Mt 26.41). Lembre-se de que todo adultério começa com gestos, atitudes e palavras aparentemente inofensivos. Pessoas compromissadas, casadas e aliançadas devem estabelecer um limite no seu relacionamento com o sexo oposto e nunca brincar com aquilo que pode se tornar uma grande armadilha contra elas mesmas. É por essa razão que devemos com frequência fazer uma viagem ao nosso interior para verificar os movimentos da alma e supervisionar os caminhos que estão sendo construídos em nosso coração.

“Devemos com frequência fazer uma viagem ao nosso interior para verificar os movimentos da alma e supervisionar os caminhos que estão sendo construídos em nosso coração.”

Quando o marido ou a esposa percebem que alguma pessoa está chamando muito a sua atenção e provocando constantes pensamentos de infidelidade, é necessário tomar uma atitude radical. Nas minhas palestras para casais sempre aconselho: “Busque ajuda antes que seja tarde demais”. Ninguém vence sozinho. É necessário contar com o auxílio de pessoas que podem ser instrumentos de Deus em nosso favor.

Geralmente, quando esse envolvimento acontece, a sensação que a pessoa tem é de que já não ama mais o cônjuge como amava antes. Isso pode ocorrer na empresa, entre o diretor e a secretária ou entre colegas de trabalho; na faculdade, entre professor e aluna ou colegas de classe; na própria família, com a convivência de casais que costumam estar sempre juntos; na igreja, entre pastor e quem o assessora; entre pessoas do grupo de louvor; no consultório, entre médico e paciente ou dentista e paciente; na loja, entre vendedor e cliente, e em outras situações semelhantes. As circunstâncias em que o perigoso jogo da sedução pode acontecer são as mais diversas; ninguém está imune a essa possibilidade. •

Fonte: Gonçalves, Josué. Família Indestrutível. 1ª Edição. São Paulo – SP: Editora Mundo Cristão, Pgs 79-81. Conteúdo publicado com autorização.

Participe do Encontro Sepal 2020!

Se você deseja saber mais sobre a importância do equilíbrio entre a vida ministerial e familiar, venha participar da 47ª edição do Encontro Sepal. O evento acontecerá entre os dias 12 e 15 de maio, em Águas de Lindoia (SP), e contará com a presença de renomados preletores nacionais e estrangeiros. Clique aqui e faça sua inscrição!

    Leave A Comment